Você já teve uma cãibra noturna na perna? Saiba por que ocorrem e como pará-las!


a

Depois de um dia estressante e exaustivo, nada melhor do que sono e descanso.

Mas, por vezes não conseguimos dormir e passamos a noite nos virando de um lado para outro na cama.

Existem vários motivos, mas hoje vamos falar das dores irritantes nos músculos das pernas.

Elas chegam sem aviso, e o pior é que podem atingir qualquer pessoa. Essas cãibras são sem dúvida um verdadeiro pesadelo. As cãibras noturnas ocorrem geralmente na barriga da perna, mas às vezes também afetam as coxas.

Se você já teve a infelicidade de sofrer com essa condição, sabe que ela se manifesta na forma de espasmos, que duram desde alguns segundos até vários minutos.

Essa sensação pode variar de um desconforto leve a dor extrema, dependendo do nível de contração muscular.

As dores podem ter muitas razões como por exemplo ficar muito tempo sentado ou em pé.

Elas também costumam aparecer devido ao exercício intenso, ou má postura.

Sentar-se corretamente é mais importante do que pensamos. Isso não só beneficia a nossa coluna, mas quase todas as partes do nosso corpo.

Estar grávida pode ser outro fator. Também aqueles que sofrem de diabetes, alcoolismo ou Parkinson têm cãibras noturnas nas pernas com mais frequência. As contrações musculares podem ainda ser um sinal de que está desidratado.

COMO PARAR A DOR DAS CÃIBRAS IMEDIATAMENTE?

Para aliviar esta dor você pode sentar-se na cama, estender as pernas para a frente e puxar a ponta do pé da perna dolorida até si.

Talvez seja a melhor maneira de as parar instantaneamente.

Também pode se levantar, apoiar suas mãos contra a parede e esticar a perna.

A posição mais adequada para fazer isso é a mostrada na figura abaixo. Assim, estamos ajudando a relaxar a tensão nas pernas.

Certifique-se de que você não tem os lençóis nem cobertores muito apertados. Isso pode estar forçando seus músculos a contrair.

É essencial estar confortável para dormir. Por isso, os pijamas também não devem estar muito justos.

Fonte: Histórias com Valor